João Pinheiro: Polícia prende suspeito de assassinar capoeirista Paulo Munha por motivo passional

A Polícia Civil de João Pinheiro prendeu na manhã desta quinta-feira (10), Diogo Gomes, de 34 anos, suspeito de ter assassinado a tiros o capoeirista Paulo Henrique, conhecido como Paulo Munha. A suspeita é que o crime seja passional.

Segundo o delegado de Polícia Civil, Diego tentou contra a vida de Paulo Henrique mais de uma vez. “Motivos provavelmente passionais, pelo que temos apurado até o momento, ele foi muito cuidadoso em executar o crime e já teria 1 semana antes uma outra investida contra vítima, em tese praticada pelo mesmo indivíduo por motivos passionais.” disse.

Um intenso trabalho de investigação foi iniciado e bastantes elementos foram coletados com o auxilio do setor de inteligência da Polícia Civil. “Partimos do princípio de procurar quem teria razões para querer ele morto, fomos afunilando informações sobre a vida amorosa da vítima, informações patrimoniais. Até o terceiro dia de investigação, trabalhamos com várias vertentes e os dados foram apontando para um caminho e esse caminho se mostrou frutífero”, afirmou o delegado de Polícia Civil.

Segundo o delegado, desde a preparação do crime, o suspeito tentou por diversas vezes ocultar os fatos e mostrou-se bastante cuidadoso quanto a sua identificação pessoal com o uso de roupas largas e capacete, além de ter pintado a motocicleta utilizada no percurso e a vendido para terceiros após o crime, sendo encontrada pela polícia durante a investigação.

Um trabalho de melhoramento das imagens de monitoramento foi feito e constatou-se que o macacão usado por Diogo é muito similar ao usado pela empresa em que trabalha. “Foram coletadas imagens, não só aquelas que foram exposta na redes sociais. Com esse melhoramento de imagem, aparece o macacão e foi possível ver que é muito semelhante, praticamente idêntico, ao uniforme usado pelos funcionários da empresa em que o suspeito trabalha”, disse.

A operação ganhou o nome de HADES e com 36 dias chegou à prisão do suspeito. Diogo será encaminhado ao presídio local até que o inquérito seja encerrado. A Polícia Civil tem 30 dias para fazer o fechamento e este prazo poderá ser prolongado por mais 30 dias se houver necessidade.

O crime

O crime aconteceu na manhã do dia 04 de setembro e foi flagrado por câmeras de segurança. O atirador, que trajava um macacão e estava de capacete, efetuou três disparos em direção a Paulo que, mesmo baleado, conseguiu correr para a entrada da academia, onde foi novamente alvejado.

O crime comoveu toda a população pinheirense que ficaram extasiados com a notícia. A Polícia Militar ainda chegou a socorrer a vítima ao Hospital Municipal de João Pinheiro, porém não resistiu aos ferimentos e morreu.

Fonte: JP Agora

COMPARTILHAR