Cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba já registram 330 casos prováveis de dengue

As cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba já contabilizam 330 registros prováveis (confirmados + suspeitos) de dengue em 2018. Os números mostram o avanço da doença na região, já que em uma semana foram contabilizados 99 casos a mais. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (5) no quarto boletim epidemiológico do ano da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Os números de chikungunya também aumentaram, subindo de cinco para oito. Já os registros de zika se mantiveram em dois.

Dengue

No primeiro balanço divulgado no dia 8 de janeiro, havia nove casos prováveis de dengue na região. No dia 15 de janeiro, os números subiram para 46. No terceiro boletim, divulgado na última semana, foram 231 registros. Agora já são 330. Veja as cidades que registraram casos provavéis da doença:

Abadia dos Dourados: 1
Araguari: 3
Araporã:6
Araxá: 1
Campo Florido: 1
Campos Altos: 1
Canápolis: 4
Capinópolis: 6
Conquista:2
Delta: 2
Centralina: 2
Frutal: 2
Gurinhatã: 2
Ibiá: 2
Iraí de Minas: 1
Itapagipe: 4
Ituiutaba: 54
Iturama: 3
Monte Alegre de Minas: 3
Nova Ponte: 2
Patos de Minas: 18
Planura: 2
Presidente Olegário: 1
Rio Paranaíba: 2
Santa Vitória: 6
São Francisco de Sales: 1
São Gonçalo do Abaeté: 2
Tupaciguara: 5
Uberaba: 78
Uberlândia: 113

Chikungunya

Os casos de chikungunya começaram aparecer no boletim divulgado dia 29 de janeiro. De lá pra cá, os números subiram de cinco para oito. Veja em quais cidades estão:

Capinópolis: 1
Ituiutaba: 1
Patos de Minas: 3
Sacramento: 1
Uberlândia: 1

Zika

Sobre os casos de zika foram contabilizados dois na região, mesmo número da última semana. As cidades são:

Ituiutaba: 1
Uberaba: 1

O mapeamento de infecções causadas pelo Aedes aegypti deve ser informado ao Governo Federal por todos os municípios. A determinação é do Ministério da Saúde e tem o objetivo de monitorar a infestação do mosquito. Os boletins são divulgados semanalmente pelo estado.

A zika, a chikungunya e a dengue são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. No caso da zika, a transmissão também ocorre por via sexual e de mãe para filho durante a gravidez. A dengue e a febre amarela são passadas apenas por meio da picada de mosquitos.

Para evitar a proliferação dos pernilongos, é importante não deixar água parada. Para evitar as picadas, é possível colocar redes nas janelas, vestir roupas que cubram braços e pernas e usar repelente.

Fonte:G1

COMPARTILHAR
Jornalista e radialista, natural de Presidente Olegário. Idealizador e responsável pelo portal PO Notícias. Redator e apresentador dos programas Jornal da Eldorado e show da tarde na Rádio Eldorado FM 87,9.