Policiais civis, militares e vereadores são detidos em nova operação do Gaeco em Uberlândia

Três operações são feitas na manhã desta sexta-feira (25) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Os alvos são servidores públicos de Uberlândia como vereadores, policiais militares e civis.

Ao todo, 76 pessoas são investigadas e segundo o Ministério Público Estadual, são cumpridos, com apoio da Polícia Militar, 75 mandados de busca e apreensão e 88 mandados de prisão preventiva e uma temporária.

A Operação “Poderoso Chefão” foi desencadeada nesta data em Uberlândia e investiga fraude e desvio de dinheiro envolvendo vans que prestam serviço para o município. Já o desdobramento da “Mercúrio” apura crimes de corrupção passiva e ativa envolvendo policiais civis. E a Operação “Torre de Babel” é feita em Uberlândia, São Gotardo, além das cidades Itumbiara e Goiânia no estado de Goiás.

Prisões

Até as 8h30, a reportagem confirmou que entre os presos estão o vereador Wilson Pinheiro (PP) e os delegados Eduardo Leal e Vitor Dantas. Também tem mandado de prisão contra o vereador Alexandre Nogueira (PSD), que ainda não foi encontrado, contra o vereador Juliano Modesto (SD) que já estava preso.

A reportagem está em procura dos advogados de defesa dos presos. Também procurou a corregedoria da Polícia Civil e Câmara Municipal, e aguarda retorno.

Poderoso Chefão

Segundo o MPE, a Operação “Poderoso Chefão” foi desencadeada nesta sexta-feira (25) e investiga uma organização criminosa que atua no desvio de recursos públicos vindos de contratos de prestação de serviço público municipal de transporte de alunos.

Foram cumpridos 16 mandados de prisão preventiva, entre eles contra os vereadores Juliano Modesto (SD), que já estava no Presídio Professor Jacy de Assis, Wilson Pinheiro (PP) e Alexandre Nogueira (PSD). Ainda, contra um servidor que já exerceu, no passado, cargo de Controlador Geral da Câmara Municipal cujo nome ainda não foi divulgado.

Também foram cumpridos 18 mandados de busca e apreensão e determinado o sequestro de bens e valores dos investigados no limite de R$ 7 milhões.

Investigação

Segundo o Gaeco, as investigações apontam que por meio da associação com o nome ATP, a organização criminosa desviou, em 2016, R$ 7 milhões da Prefeitura Municipal de Uberlândia.

O grupo contava com esquema para lavagem dos recursos obtidos criminosamente, por meio de diversas empresas constituídas em nome de dirigentes da Cooperativa dos Transportadores de Passageiros e Cargas de Uberlandia Ltda (Coopass) e da ATP, bem como de laranjas utilizados pelo consórcio criminoso. Crimes na contratação de escritórios de advocacia também são investigados.

Torre de Babel

Na Operação “Torre de Babel”, o Gaeco cumpriu no dia 10 de outubro diversos mandados judiciais em Uberlândia, Uberaba e Monte Carmelo contra mais de 100 investigados. Até o início da semana, nove pessoas seguiam foragidas.

Os alvos foram três organizações criminosas distintas envolvidas em roubos de carga, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, receptação de veículos, irregularidades em contratos públicos e até homicídios.

Um dos mandados foi contra o vereador Juliano Modesto (SD) e outro, de busca e apreensão, contra o vereador, Alexandre Nogueira (PSD).

Prisão vereador

O vereador Juliano Ribeiro Modesto foi preso no dia 15 de outubro e está suspenso do partido político Solidariedade (SD), do qual fazia parte. A decisão partiu de uma assembleia geral realizada pelos membros e lideranças do SD na última sexta-feira (18).

Operação Mercúrio

Uma operação foi realizada no final de agosto em dez estados do país para combater uma quadrilha especializada em roubo e receptação de caminhões e cargas, agiotagem além de lavagem de dinheiro.

Mandados judiciais foram cumpridos em Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Pará, Paraná, Pernambuco, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Santa Catarina.

Na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba foram cumpridos 42 mandados de prisão, sendo maior parte em Uberlândia.

Fonte:G1

COMPARTILHAR
Gonçalves Advogacia